No último dia 27 (quarta-feira), foi preso pela Polícia Federal, o professor de Engenharia Florestal, Jorge Luiz Colodette; investigado pela Ministério Público Federal (MPF) por 34 ocorrências de crime de peculato (artigo 312 do Código Penal).

A prisão foi decretada pela Justiça Federal atendendo pedido feito pelo MPF, com o “objetivo de proteger a ordem pública e a ordem econômica, bem como para garantir a frutuosidade da instrução criminal”.

Segundo a denúncia, nessa função pública, ele teria desviado mais de 4,5 milhões de reais (valores corrigidos) no período de apenas seis anos, de 2009 a 2014. Mas, o MPF acredita que o montante desviado e apropriado indevidamente pode ser ainda maior, já que seu patrimônio pessoal cresceu 300% entre os anos de 2007 e 2017.

Na última sexta-feira (01/03/19), o Viçosa em Dia recebeu com exclusividade, uma nota oficial da administração da Universidade Federal de Viçosa (UFV), em que é informado a colaboração com o Ministério Público Federal (MPF) e outros órgãos envolvidos na prisão do professor.

“A administração da Universidade Federal de Viçosa (UFV) informa que já vinha colaborando com informações solicitadas pelo Ministério Público Federal (MPF) e por outros órgãos de controle a respeito do caso e que tomou conhecimento pela imprensa ontem (28), no final da tarde, da prisão do professor Jorge Luiz Colodette. A administração também informa que continua colaborando com as investigações e que todas as providências administrativas cabíveis para o esclarecimento dos fatos e a responsabilização de quaisquer envolvidos serão tomadas”


Por: Guilherme de Carvalho Alves